E por falar em barbárie...

A Universidade Federal do Pará é outra vítima da barbárie que, pouco a pouco, vai avançando e ameaça sufocar a civilização que nossos antepassados e contemporâneos nos legaram e construiram, tijolo por tijolo.
Assim, dificilmente esta terra vai cumprir seu ideal. Vai ver que prefere continuar na sua rudeza pagã.
A invasão da Reitoria é o penúltimo ato de uma escalada de barbárie.
Mas outros tantos, menores ou piores, já aconteceram.
Conto um exemplar.
O filósofo Benedicto Nunes, nosso sábio da Travessa da Estrela, já aposentado, tempos atrás voltou ao campus para dar aulas em um curso. Incomodado com a gritaria de um grupo de istudantes, saiu da sala e pediu-lhes silêncio ou, pelo menos, que falassem baixo para não prejudicar sua aula. O heróico grupo de istudantes reagiu à altura (deles, claro): invocaram o direito à liberdade. E com base nesse direito torto continuaram com a gritaria.
E calaram Benedicto Nunes. Pelo menos naquele momento e naquele dia.
A barbárie venceu a civilização? A estupidez derrotou a sabedoria?
Não. Os bárbaros e estúpidos foram vencidos, porque agora Benedicto Nunes dá aulas para todos os que apreciam as coisas boas da vida. Acontece quase todos os finais de semana, no Centro de Cultura e Formação Cristã, como já tive oportunidade de divulgar aqui.
Nem tudo está perdido.

Comentários

Anônimo disse…
Caro Alencar,

Onde estão os intelectuais dessa terra?
Por que ficam calados diante de tanta barbárie?
Por que não reagem?
Muito do que tem acontecido mundo afora, cidade adentro e dentro da própria universidade é resultado da passividade dos intelectuais (os há?), de sua falta de disposição para sair de seus laboratórios e gabinetes e falar ao público, indignar-se, denunciar o retrocesso civilizatório e demonstrar, além de tudo, que esse caminho seguido por esses vândalos que se auto-denominam de estudantes não é outro senão o caos, a catástrofe, o estado de guerra.
É sobre o silêncio dos intelectuais que essas ações fascistas vão avançando.
É pelo silêncio de todos que o "caso UFPA" transpareceu ser uma simples briga particular entre os invasores e o reitor, como se somente a este último coubesse o dever de defender a universidade, patrimônio público de todos nós. No limite, deixamo-lo só. Fomos omissos. E, felizmente, ele cumpriu bem o seu dever. Mas, pergunto, até quando? E os futuros?
Veja o caso melancólico da USP. Um desastre. Uma afronta ao estado de direito. Desconheceram, inclusive, liminares judiciais e ficou por isso mesmo. O Governo, a Justiça, a Universidade desmoralizados por uns moleques.
Sim, falta autoridade. Faltam bons exemplos. As instituições sangram. O estado está débil. Esgarça a sociedade.
JOSÉ DE ALENCAR disse…
Mandou bem o anônimo comentarista domingueiro (6:40PM).
Anônimo disse…
Alencar, tu realmente pensas assim? Que pena!
É um orgulho tê-lo como amigo e camarada! Teu texto reflete também meu pensamento sobre a barbárie na UFPA
JOSÉ DE ALENCAR disse…
Prezado Anônimo das 6:47:00 PM.

1 Descontados os adjetivos - cada um escolhe os seus - penso como escrevemos eu e o anônimo domingueiro. A essência do pensamento é a mesma: a barbárie encurralando a civilização. Mas respeito-o, se pensa diferente.

2 Don´t cry for me, Anônimo das 6:47:00 PM. Não tenha pena de mim ou de meus pensamentos. Se puder, tenha pena da Universidade. E da civilização.

Abraços assinados do

Alencar
Anônimo disse…
Alencar e Lauande? É disso que a direita gosta!
Anônimo disse…
Caro Alencar, vou contar uma coisa. Certa vez, eu vi o Lauande defender numa palestra na UFPA a democracia como valor universal e citava vc, Alencar. Falando besteira como sempre, o Lauande usou até Weber com Marx. Plena confusão metodológica e política. Neste sentido, caro Alencar, cuide bem de seus pupilos, porque esse Lauande virou um babaca e é só olhar o blog dele e observar o quanto ele ficou (ou já era?!) conservador como vc.
JOSÉ DE ALENCAR disse…
Meu caro Anônimo da Terça-feira, Junho 26, 2007 10:45:00 AM

1 Agradeço sua leitura e seu comentário.

2 Diálogo Marx-Weber é possível, mas é coisa para quem tem abertura intelectual suficiente para tanto. Não é coisa para ortodoxos, reconheço. Pode ser encontrado nas páginas da Humanidades, a revista da UnB.Ou na Revista Espaço Acadêmico, neste sítio: www.espacoacademico.com.br/038/38cabcarvalho.htm

3 Se preservar os avanços da cilização, combater a barbárie e lutar pelo progresso da Humanidade é ser conservador, sou-o, com muito gosto. Mas respeito quem tem outras preferências.
Amigo Alencar, o Juvêncio e o Yúdice aconselharam que eu colocasse moderador no meu blog. Eu resisti e hoje estou convencido que estava certo. Como não quero unanimidade, os anônimos são fundamentais na altercação. Eu inclusive respeito o direito deles não saírem da clandestinidade porque entendo que sua feitura humana, em grande parte, é de mote político apenas ofensivo e quase nada propositivo, como também, por outro lado, eu tenho uma efígie do que as pessoas têm da minha postura humana e política. Viva os anônimos: com suas qualidades e idiossincrasias. Aquele abraço.
Etetuba disse…
por João Bernardo
A velha universidade pública ficou condenada a partir do momento em que foi convertida de instituição de elite em instituição de massas, quero dizer, quando deixou de ser um clube fechado, destinado exclusivamente a educar futuros membros das classes dominantes, e passou a ser orientada para formar força de trabalho qualificada, isto na melhor das hipóteses, porque às vezes os alunos nem sequer saem com qualificações apreciáveis. Sempre que em perguntas durante as aulas ou em debates no final de palestras a questão me é colocada, eu respondo da mesma maneira:
Que sentido tem evocar a universidade pública quando departamentos ou linhas de pesquisa ou professores individualmente recebem financiamentos, explícitos ou discretos, de grandes empresas ou de organizações não-governamentais controladas por grandes empresas, e quando esta prática se torna cada vez mais frequente? Que sentido tem evocar a universidade pública quando os serviços nos campi são privatizados? Que sentido tem evocar a universidade pública quando na esquina do corredor ou detrás da árvore surge um desses mercenários de óculos espelhados e bíceps grandiosos que costumam ornamentar os shopping centers? Hoje as universidades públicas só interessam aos professores que nelas leccionam, porque apesar de tudo detêm ainda um maior controlo sobre o seu tempo de trabalho e sobre o conteúdo deste trabalho do que deteriam nas instituições privadas. Mas como esses professores são os primeiros a acotovelarem-se uns aos outros quando se trata de obter qualquer financiamento privado, eles mesmos estão a cavar debaixo dos pés a cova em que dizem não querer cair.
Há anos atrás, quando começou no Brasil a grande vaga de privatizações, eu escrevia e dizia, apesar de isto escandalizar aquele tipo de esquerda que só se sente confortável a repetir lugares-comuns, que as empresas públicas estavam já privatizadas desde há muito tempo, porque tanto na forma como operavam como nas hierarquias internas, nos processos de trabalho e nas prioridades que definiam para as linhas de produção elas em nada se distinguiam das empresas privadas. O que então se passou foi que empresas circunscritas ao âmbito de um capitalismo nacional se transferiram para o âmbito transnacional. Não se tratou de privatização mas de transnacionalização, inevitável numa fase em que a concentração do capital atingira a globalização.
O mesmo ocorre com as universidades públicas formadoras de força de trabalho. As colaborações internacionais multiplicaram-se, as perspectivas de análise académica deixaram de se referir geograficamente a centros ou a periferias e tornaram-se globais, e os professores e respectivos orientandos são embalados e expedidos para congressos e estágios por aqui e por acolá. A universidade pública pode manter-se pública no nome, mas ela é cada vez mais privada na origem dos seus financiamentos, na determinação dos seus objectivos e, em traços gerais, no sistema do seu funcionamento.
Tragicamente, no Brasil são numerosos os professores e alunos que vêem com alegria esta evolução. Ao contrário do que sucede na Europa, no Brasil a universidade é ainda considerada como um veículo de promoção social, e a este respeito não me resta outro recurso senão o de recorrer à estafada imagem de subir uma escada que desce, porque os pais fazem os maiores sacrifícios para enviar para a universidade filhos que no final do curso acabarão por ser trabalhadores assalariados com um estatuto social equivalente, em termos relativos, àquele que os progenitores haviam tido. Num pequeno número de casos, porém, o estudante consegue progredir na hierarquia dos gestores, tanto em empresas privadas como na vida política, e inserir-se entre os capitalistas. Estas ascensões de uns poucos servem de isco para todos os demais, exactamente do mesmo modo que as pessoas jogam nas múltiplas lotarias.
O que poderia espantar é que apesar disto existam estudantes que protestem contra as variadas modalidades de privatização da universidade pública, que protestem contra a contratação de companhias de segurança privadas para actuar nos campi, contra a entrega de restaurantes universitários a empresas de fast-food ou contra a presença obsessiva dos bancos e das suas imagens nas instalações universitárias. Ainda recentemente, no dia 15 de Março, cerca de cinquenta estudantes do campus de Araraquara da Unesp participaram numa festa convocada para debater a reforma universitária. Na sequência do acto de protesto foram pintados bancos, bancos de sentar, por um lado enquanto metáfora de outros bancos, os de colocar dinheiro, por outro lado por ostentarem aquelas inscrições publicitárias que cada vez mais assinalam a penetração privada nos espaços considerados públicos, como bandeiras que os exércitos invasores hasteiam à medida que vão conquistando território. Menos amantes de alegorias, alguns estudantes decidiram atingir as instituições financeiras propriamente ditas e pintaram as caixas electrónicas. Os intuitos ficaram claros, mas a mim, pessoalmente, tudo somado parece-me pouco.
Apesar disso, esta pequena acção provocou grande celeuma, o que levanta um interessante problema de assimetrias. Empresas privadas têm o direito, legalmente confirmado, de colocar no interior dos campi as suas mensagens ideológicas e os seus símbolos, mas não é reconhecido aos estudantes o direito de colocar os deles. Trata-se de um espectáculo em que só é legítimo aplaudir e em que é proibido vaiar. «Beba isto» ou «Compre aquilo» são textos que as autoridades detentoras da sapiência académica consideram dignos de estar expostos a todos os olhos, mas «Só a luta muda a vida», por exemplo, uma das frases que os estudantes de Araraquara inscreveram nos assentos, se bem que me pareça mais instrutiva do que um painel publicitário, é pretexto de repressão.
A Unesp é o que é e, como sucede em instituições deste tipo, reprimir é mais fácil do que resolver as coisas de outra maneira. Assim, foi aberta uma sindicância e estão ameaçados de expulsão quatro estudantes, Juninho, do curso de Letras, e Júlia, Pedro e Thiago, do curso de Ciências Sociais.
Para me exprimir com sinceridade, receio que o facto de nos últimos tempos as autoridades da Unesp terem recorrido à repressão sempre que os alunos demonstram alguma imaginação nas formas de protesto seja revelador de uma certa insegurança quanto à qualidade do ensino. Os alunos imaginosos são um perigo, porque o que sucederá no dia funesto em que eles colocarem a imaginação em funcionamento dentro das salas de aula e começarem a levantar questões a que os professores não saibam dar resposta?
Não menos elucidativo é o facto de logo no dia seguinte ao do acto alguns estudantes terem manifestado junto à directoria a sua indignação com o protesto dos colegas. Há não muito tempo atrás, o aluno que denunciava outro tinha um nome. Mas os delatores sentiram-se prejudicados na sua ânsia ingénua de promoção social, sentiram-se agredidos ao verem pintalgadas ou inutilizadas aquelas caixas electrónicas de onde eles quase não têm dinheiro para retirar, sentiram-se insultados nas inscrições dirigidas contra aquelas empresas onde eles um dia, se tiverem sorte, irão ser trabalhadores precários. Mais instruído ainda fico ao observar que outros delatores, ou talvez os mesmos, não se satisfazendo com processos punitivos académicos, foram transmitir a sua repulsa a uma dessas celebridades fictícias da televisão, um desses personagens construídos pela revista Caras e pelas suas similares, um apresentador de programas ou comentador de plantão. Então não é lógico? Os defensores da privatização acelerada da universidade de massas encontraram voz autorizada num representante daquela que é por excelência, nos nossos dias, a cultura kitsch privada.
Estive a ver os comentários inseridos por leitores em sites da Mídia Independente a respeito do acto de protesto realizado na Unesp de Araraquara, e a acusação de vandalismo é a que mais frequentemente ocorre, até da parte de pessoas que se posicionam contra a privatização da universidade pública. Sabem qual é a origem do termo vandalismo? Todos julgam saber, claro, vem de Vândalos, um povo bárbaro que entrou no Império Romano e que partiu tudo o que encontrou à frente. Mas pensem três vezes, ou mesmo duas. Outros povos havia, daqueles que os historiadores classificaram como bárbaros, e no entanto ninguém fala da ostrogodização dos orelhões, da visigotização dos elevadores nem da burgundização dos ônibus.
Os povos ditos bárbaros, que se haviam estabelecido nos limiares do Império Romano e serviam como mercenários dos imperadores, foram convidados a adentrar as fronteiras durante as grandes lutas sociais que acabaram por ditar o fim do império. Os escravos revoltavam-se nos latifúndios, pegavam em armas, desencadeavam vastíssimas operações militares, a que as autoridades urbanas não tinham já força para responder. A aristocracia escravista convidou então os povos bárbaros a auxiliarem-na na luta contra os escravos, e foi assim que eles se fixaram no interior do império, como mercenários dos ricos. Para a velha aristocracia imperial o resultado foi duplamente trágico. Por um lado, porque não conseguiu debelar a revolta dos escravos, que conquistaram um efectivo grau de liberdade e se converteram em servos. Por outro lado, porque os mercenários bárbaros, vendo de perto a debilidade dos latifundiários, se substituíram a eles. Acabou assim o império e o escravismo, e começou o regime senhorial assente na exploração de servos.
Nem todos os povos ditos bárbaros, porém, apoiaram os latifundiários escravocratas. Na península ibérica, por exemplo, enquanto os Visigodos entraram ao serviço da aristocracia, os Suevos colocaram-se ao lado dos escravos amotinados. Mas tratava-se de um povo pouco numeroso, que acabou confinado no noroeste da península, no que são hoje a Galiza espanhola e o Minho português. Outro povo houve que se colocou ao serviço dos escravos revoltados, um povo muito mais numeroso do que os Suevos e cuja área de operações foi muitíssimo mais ampla – os Vândalos. É por isso que os Vândalos foram vândalos, porque a aristocracia latifundiária considerava como inteiramente justas e portanto como indignas de menção as atrocidades e as destruições que eram praticadas por sua ordem, mas considerava como horrendas aquelas que ela mesma sofria. Percorrendo o império de leste a oeste no que é hoje a Europa e passando depois para o norte da África, os Vândalos ajudaram os escravos a matar os latifundiários e os seus servidores, a saquear os palácios, a destruir os símbolos arquitectónicos e urbanísticos do poder imperial, a pilhar a fortuna dos ricos.
Vândalos, os quatro estudantes da Unesp de Araraquara? O Pedro, a Júlia, o Thiago e o Juninho, vândalos? Estou a escrever estas linhas e a rir-me, a imaginar o que os Vândalos, os verdadeiros, os de há muitos séculos atrás, fariam naquele campus, o que eles fariam das caixas electrónicas, das sindicâncias e dos sindicantes! E agora estou a rir-me mais ainda, a prever o que outros vândalos, não menos verdadeiros, farão daqui a algumas décadas, vindos dos subúrbios de uma sociedade toda ela privatizada, terceirizada, precarizada, aquela mesma sociedade para a qual as autoridades da Unesp dão a sua microscópica contribuição.
João Bernardo é escritor e professor. joaobernardo_jb@msn.com
http://carosamigos.terra.com.br/
__________________________________________________
Anônimo disse…
Esse Luande é um antipático e se acha intelectual.Dá pena vêlo tentar mostrar o que não é nem nunca será.
JOSÉ DE ALENCAR disse…
Obrigado, Etetuba.
O texto do Professor João Bernardo, embora longo para um Blog, vale a pena ser lido.
Além de esclarecedor, põe o debate em bons e elevados termos.
A ação direta dos estudantes da UNESP pode até mesmo ser melhorada, acredito.
O know how pode ser buscado com o Greenpeace, a ONG que melhor executa ações diretas, a meu ver, nos limites mais extremos da legalidade e da liberdade. Via de regra, das ações do Greenpeace não resultam crimes ou mesmo contravenções. Estudantes e sindicalistas tem o que aprender com os militantes do Greenpeace.

Postagens mais visitadas