Degradação

A privatização da CELPA veio acompanhada da promessa de melhoria dos serviços de distribuição de energia elétrica no Pará.
Tive, no início, a impressão que os serviços melhoraram.
Agora essa percepção está quase completamente invertida.
Sou, como todos nós, consumidor compulsório da CELPA vivente em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém, onde a interrupção do fornecimento de energia elétrica é, hoje em dia, pela minha percepção, bem maior do que nos tempos da velha CELPA estatal.
A degradação dos serviços  é perceptível pelo senso comum. Em minha casa já cheguei a ficar cerca de 24 horas sem energia elétrica. No restaurante que frequento, na Travessa Dom Pedro I, no Umarizal, dia desses faltou luz desde as duas da tarde até altas horas da noite, obrigando o fechamento da casa . Em uma dessas interrupções do fornecimento de energia para minha casa resolvi dialogar com o teleatendente até o limite da exaustão, minha e dele. Lá pelas tantas, depois de muito puxar pela língua dele - e minha - consegui uma informação que até então ignorava: o Centro de Atendimento ao Cliente - CAC da CELPA fica em Cuiabá, capital do Mato Grosso! Por isso o teleatendente não sabia coisas elementares sobre Belém e arredores, o que dificultava o entendimento (e facilitava o desentendimento). Perguntei se ele sabia a quantas andava meu DEC e meu FEC. Ele não sabia do que se tratava e pediu um tempo para consultas. Parêntesis para passar a definição dessa sopa de letrinhas: DEC é Duração Equivalente de Interrupção por Unidade
Consumidora  e FEC é Freqüência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora. Depois de alguns minutos de musiquinha o teleatendente esclareceu que em lugar desses dois indicadores eu já era informado mensalmente, na conta, de três outros indicadores: DIC - Duração de Interrupção Individual (horas), FIC - Frequência de interrupção individual (vezes) e DMIC - Duração Máxima de Interrupção Contínua.
Desse papo com o teleatendente ao dia de hoje a prestação dos serviços pela CELPA foram degradados mais ainda, apesar da injeção de recursos públicos e do implante de um diretor indicado pelo Governo Federal. Até onde estou informado, faltam alguns punhados de reais para a reestatização. E, cá para nós, a degradação dos serviços parece coisa feita, deliberada, para forçar esse movimento do poder concedente e, quem sabe, a reestatização da CELPA. Há precedente famoso (da Light,  novamente estatal de segundo grau, porque controlada pela CEMIG, a estatal mineira).
Agora, o que era percepção pelo senso comum já foi medido e está documentado na minha conta de luz de abril de 2010, mês em que a  DIC - Duração de Interrupção Individual  ficou em 5,3 horas (roçando no padrão ANEEL, 5,43 horas), a FIC - Frequência de interrupção individual foi de 6 vezes (o dobro do padrão ANEEL, 3,00 vezes)  e a DMIC - Duração Máxima de Interrupção Contínua ficou barato, 1,72 hora (dentro do padrão ANEEL, 3,11 horas). O resultado é que recebi  na mesma conta um crédito de R$105,41 por violação da meta desse indicador. Sinceramente, não me consola o crédito, pois o que quero mesmo é ter o serviço por inteiro. Aliás, essas metas da ANEEL, para meu gosto pessoal, são muito baixas e pouco desafiadoras. E o valor do crédito pela violação da meta é baixo o bastante para incentivar o descumprimento da meta.
Estou me preparando psicologicamente para o aumento da degradação dos serviços da CELPA, portanto. E também para, mais adiante, quando for oportuno aos controladores da concessionária, sua reestatização completa.
E torcendo para que eu esteja redondamente enganado.

Comentários

Muito bem, Dr. Alencar. Meio mundo tem bronca da Celpa, pelo péssimo atendimento. Inclusive eu, que vou repercutir seu post no meu blog, com a devida licença.
JOSÉ DE ALENCAR disse…
Obrigado, Franssinete, pela pelo prestígio de sua leitura, comentário e repercussão.
Aqui vale o copyleft. Os posts são como passarinho e samba: é de quem pegar.
Alencar, permita-me um comentário:pelo que percebo a razão da degradação da CELPA está na necessidade da empresa cumprir a meta que lhe cabe no programa Luz para Todos, para onde destina quase todo seu investimento.
JOSÉ DE ALENCAR disse…
Meu caro amigo Marcello,

Muito obrigado pela leitura e comentário.
O Programa Luz Para Todos é financiado pelo Governo Federal e a CELPA é apenas a executora na sua área de concessão. Portanto, ela não põe dinheiro dela nesse Programa. De vez em quando ela atrasa o pagamento de fornecedores, mas isso é outra história.
Em tese, o Luz Para Todos beneficia os consumidores e a CELPA, que aumenta sua clientela. Na prática, não tem sido bem assim, pois há dificuldades operacionais e de muitos desses consumidores a CELPA não consegue cobrar pela energia fornecida. Talvez isso seja um problema.
Outro problemão são as perdas técnicas, nome mais ou menos neutro que esconde perdas propriamente ditas e, também, o furto de energia, os "gatos".
Como não existe almoço grátis - e energia elétrica também - a conta dos "gatos" tem que ser paga por alguém. Nós, consumidores regulares e adimplentes, nos tornamos a bola da vez e somos chamados a contribuir, seja pagando mesmo, seja pela degradação dos serviços.
Hasta cuando?
JOSÉ DE ALENCAR disse…
Marcello,
Completando a resposta, com informações da ELETROBRAS: O Programa Luz para Todos é operacionalizado pela Eletrobras, que tem como atribuições básicas a análise técnico-orçamentária dos programas de obras elaborados pelos agentes executores, o gerenciamento da execução dos mesmos, a liberação dos recursos financeiros provenientes da Reserva Global de Reversão (RGR), a título de financiamento, e da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), a título de subvenção econômica, assim como a fiscalização da execução e do andamento das obras.

Postagens mais visitadas