Remanso

Quer conhecer um potente roteiro gastronômico que começa em Belém e termina em Madri?
Então dê uma passada aqui no Blog do Marcelo Katsuki, hospedado na Folha Online.
Ele se derrama em elogios à gastronomia paraense e incensa o Remanso do Peixe e seu cheff, Thiago Castanho. Thiago é filho da Carmen e do Francisco, fundadores do Remanso do Peixe. Francisco é capixaba que chegou por estas bandas para trabalhar na ALBRAS, mas largou o alumínio para fazer moquecas, com panelas capixabas legítimas. Carmen, esposa de Francisco, aposentou - era bancária - e os dois fizeram da casa da família um restaurante. Quando começou, suas crianças eram seus auxiliares nos sábados e domingos, uns minigarçons simpaticíssimos, Thiago inclusive. A comida era boa e o restaurante escondido no final de uma vila na Barão do Triunfo. Ele caiu no gosto dos jornalistas noctívagos e as notinhas que começaram aparecer nos jornais denunciaram o esconderijo da boa mesa. O restaurante foi crescendo até engolir a casa inteira. A família teve que se mudar para a esquina, onde agora tem também a infra-estrutura do restaurante, que continua no mesmo lugarzinho - agora lugarzão - de sempre.
Thiago foi crescendo junto com restaurante e buscou os largos horizontes da gastronomia, dando com os costados em São Paulo e Espanha. Era, na verdade, um reencontro.
Explico.
A avó de Carmen era Felipa Alonso, uma espanhola de Zamora, que um dia do final do Século XIX partiu com o pai e duas tias do porto de Vigo. O destino era o porto de Belém. Mas o destino final mesmo era a Colônia Agrícola Benjamin Constant, em Bragança, o ponto mais extremo da então futura - e agora extinta - Estrada de Ferro de Bragança. Thiago, portanto, tem a gastronomia no seu DNA, pois a poderosa gastronomia espanhola deixa marcas por onde passam os participantes dessa diáspora. Thiago é a síntese de três poderosas gastronomias: a paraense, a capixaba (do pai) e a espanhola (da bisavó).
Mês que vem vou voltar à Espanha, para fazer de novo o Caminho de Santiago, agora pela rota aragonesa. Quando terminar, vou passar por Zamora em busca dos rastros de Felipa Alonso, minha avó. Isso mesmo: Carmen é minha prima. E o Remanso do Peixe, Thiago, Francisco e Carmen merecem mesmo os elogios que lhes fez Marcelo Katsuki.

Comentários

Maravilha de texto, caro. Sou cliente assíduo do Remanso desde que funcionava na sala da casa da D. Carmam e do Seu Francisco.
Abraço.
Este comentário foi removido pelo autor.
JOSÉ DE ALENCAR disse…
Meu caro Francisco,

Muito obrigado pela leitura e pelo comentário.

Abraços do

Alencar
Luiz Santos disse…
Tem informações erradas, Chicão nunca foi capixaba
Luiz Santos disse…
Tem informações erradas, Chicão nunca foi capixaba
JOSÉ DE ALENCAR disse…
Luiz Santos tem toda razão: Francisco nunca foi e não é capixaba, mas sempre foi - e é - um excelente cozinheiro, um ótimo restauranteur e melhor pai, pois graças e ele é Carmen temos bem aqui na nossa ilharga dois excelentes chefs e dois restaurantes da melhor qualidade.

Postagens mais visitadas