Benedito Nunes (2)

Mas se você quer comemorar os oitenta anos de Benedito Nunes em grande estilo, compareça a este outro evento. Este vai ser em Belém, para compensar.

Congresso BENEDITO NUNES, pensador brasileiro

Apresentação
No mês em que se comemoram os 80 anos do filósofo Benedito Nunes, um dos mais importantes intelectuais brasileiros, este congresso visa apresentar e debater a sua obra, tanto no âmbito da crítica literária quanto no da reflexão filosófica, dado que a melhor maneira de se homenagear um pensador é o estudo das suas idéias. Professores de diversas procedências, São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belém, são convidados a pensar o fecundo legado do grande crítico paraense.
Três objetivos centrais inspiram a realização deste evento:
1) Provocar o debate em torno da obra de Benedito Nunes, explorando-lhe a densidade intelectual e localizando-a no contexto da cultura letrada brasileira. Este objetivo é almejado, sobretudo, nas cinco palestras do evento.
2) Apresentar criticamente a obra de Benedito Nunes, relacionando as diversas temáticas que aborda e, principalmente, demonstrando de que modo promoveu a aproximação da literatura e filosofia. Este escopo motiva, principalmente, os dois cursos do congresso.
3) Entender como o próprio Benedito Nunes avalia a sua trajetória intelectual, a dimensão de sua obra e a maneira como a desenvolveu.

Destinatários
O evento destina-se a todos os interessados na cultura brasileira, sua literatura, história e intelectualidade, aos estudiosos e apreciadores de literatura, filosofia e ciências humanas em geral, juristas, sociólogos, historiadores, jornalistas, publicitários e artistas.

PROGRAMA

Data

25, 26 e 27 de novembro (quarta, quinta e sexta)

Horário
15h às 18h15 (cursos); 19h às 21h45 (palestras e lançamentos)
Local
Auditório David Muffarej da UNAMA - Universidade da Amazônia (Alcindo Cacela, 287 - Belém, PA. Acesso pela galeria de arte)

ENTRADA FRANCA
Obs: Serão conferidos certificados aos participantes que o requererem.
Valor: R$ 10, 00

Realização
Centro de Cultura e Formação Cristã - CCFC

Coordenação
Victor Sales Pinheiro

Apoio
UNAMA . CCBEU . SEMEC . SALES PINHEIRO ADVOCACIA . RESTAURANTE MANJAR DAS GARÇAS . COLÉGIO ELITE

Comentários

Reginaldo Ramos disse…
Grande Alencar

Gostaria que comentasse qual será a estratégia do Presidente Lula, para sair da sinuca de bico na qual foi colocado pelo STF.

Não sei mais quem faz a cabeça do presidente, até acho que ele vem decidindo, ultimamante, por sua conta e risco.

Também penso que há resquícios ideológico, uma espécie de revanche pequeno burgues dos ministros do STF e da imprensa em relação a militantes de esquerda, inclusive quando condenam as ações do próprio presidente Lula.

Se bem que em relação a este ultimo, há um preconceito mais de classe do que propriamente político.

Minha opinião é que o ato do Ministro da Justiça foi razoável. E isso, segundo o grande professor Luis Roberto Barroso, seria suficiente para o STF ter um posicionamento no sentido de respeitar a opinião do governo.

Senti, inclusive, um posisionamento meio raivoso do Ministro Peluzo, como se a decisão do Minsitro fosse absurda.

Vc acha que o STF forçou a barra, está tentando medir força, desnecessariamente, com o executivo??

A pergunta é proposital pq sei que vc foi militante da esquerda brasileira durante muitos anos, e penso que deve conhecê-la, razoavelmente.

Um abraço.
JOSÉ DE ALENCAR disse…
Meu caro Reginaldo,

Obrigado pelo comentário, off topic.
Por dever legal não posso comentar a decisão judicial do Supremo.
Não estou proibido de comentar o que estiver fora desse quadrado.
Atendo-me aos fatos e sem incorrer em descumprimento dos deveres profissionais que me impedem de ter atividade partidária.
É fato que fui militante político de esquerda, até me tornar juiz.
Mantenho fraternas relações com militantes de esquerda até hoje.
Em um evento social onde estavam muitos militantes de esquerda italianos, todos eram favoráveis à extradição de Battisti. Era compreensível e segue sendo. Battisti optou pela luta armada contra um estado democrático de direito. Os comunistas italianos não fizeram essa opção, não concordaram com ela e combatiam-na duramente. Por isso agora que são esquerda democrática está muito a vontade para apoiar a extradição.
Esse fato histórico faz toda a diferença. Lá na Itália, quem optou pela luta armada fê-lo contra um estado democrático de direito, aqui no Brasil quem fez igual opção tinha do outro lado uma ditadura militar. Essas histórias diferentes condicionam as escolhas.
Mas discursos jurídicos sempre são possíveis para os dois lados de uma mesma questão. Por isso qualquer que seja a escolha de Lula sobre ela é possível construir um bom discurso jurídico.

Postagens mais visitadas